segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

O CONDE DRA-CU-LÁ

Ele reencarnou! renasceu das cinzas da estaca que lhe enfiaram no peito.
Ele suga não só o sangue de suas vítimas, mas também suas mentes, almas e tostões.
Suga suas jovialidades.
Ele mora num grande castelo no interior do país. Cidade pacata de ruas largas e compridas.
Suga, suga, suga achando ser talharim ao sugo esquecendo-se de que toda fonte não reposta, seca.
Há! ele suga até os filhos pois toma viagra para não ser estéril.
Sua amante também o suga.
É a dança do suga-suga.
Fonte eterna,
nunca mais!

2 comentários:

Raphael Bezerra disse...

Achei bem legal.
Pra bom entendedor meia palavra suga, sigo, digo... vale.

ananita rebouças disse...

Vc sacou hein!